fbpx

Transporte na logística: como a escolha do modal impacta o desempenho logístico?

7 minutos para ler

Uma questão da mais alta importância nas empresas é a gestão do transporte na logística. O transporte pode representar uma parcela significativa de custos nas operações de logística. Portanto, o controle desses gastos é fundamental para garantir economia e crescimento.

Ao falarmos em transporte de carga, sempre pensamos em caminhões circulando pelas rodovias. Realmente, o modal rodoviário ainda é o mais usado no Brasil. Contudo, não é o único. Além dele, existe o modal ferroviário, o aquaviário, o aeroviário e o dutoviário. O ferroviário e o aquaviário (ou hidroviário) também são muito utilizados no país, mas o rodoviário ainda mantém a liderança.

Escolher o modal adequado é uma estratégia que ajuda a reduzir custos e também a prestar um atendimento de melhor qualidade aos clientes. Veja como a escolha do modal impacta no desempenho logístico!

Os riscos envolvendo o transporte na logística

Nenhum modal de transporte está livre de riscos, mas alguns podem ficar mais vulneráveis que outros em determinadas situações. A análise desses riscos permite selecionar o meio de transporte na logística que seja mais viável para a distribuição dos produtos. Consideremos, por exemplo, os riscos aos quais os caminhões e as carretas estão sujeitos em nosso país.

Atrasos

Esse é um problema que afeta tanto as lojas físicas quanto as virtuais. Uma pesquisa da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) revelou que 61% das lojas virtuais têm seu principal entrave nos atrasos.

É necessário que as transportadoras sejam mais eficientes e se concentrem na otimização dos resultados. Não basta contar com uma frota, convém investir em tecnologia, incluindo soluções que fazem a comparação entre a capacidade dos veículos, rotas e cargas ou ferramentas que permitem o rastreamento.

Roubo de carga

O transporte na logística também sofre com esse problema. O modal rodoviário é o alvo mais prejudicado. Existem quadrilhas organizadas que fazem o assalto às cargas nas estradas, ameaçando inclusive a integridade física do motorista. A média é de um incidente com um veículo transportador a cada 23 minutos.

Uma boa parte das mercadorias roubadas não é mais encontrada. Por isso, muitas transportadoras recorrem ao seguro, como o GRIS (Gerenciamento de Risco de Segurança), para fazer a indenização ao cliente quando necessário.

Extravios, multas e avarias

É necessário ter muito cuidado com essas questões para evitar a perda de clientes e a reposição dos produtos. Caso o serviço seja prestado por uma grande empresa, casos assim podem gerar demissões, reestruturações e balanços negativos.

Quando a Polícia Rodoviária Federal intercepta veículos, podem surgir as multas e até apreensões. Documentos inadequados são a causa mais comum, principalmente a falta do documento auxiliar do CT-e e do Documento Auxiliar do Manifesto Eletrônico (DAMDFE).

Acidentes

Há muitas rodovias necessitando de pavimentação, com trechos bastante precários e arriscados, mesmo para os veículos grandes. As vias secundárias também não ajudam muito, considerando que muitas são de terra e, durante as estações de chuvas, algumas se tornam intransitáveis ou muito perigosas.

Além disso, a sinalização nas pistas não é tão eficiente, o que contribui para o aumento de acidentes, principalmente durante viagens noturnas. Juntando a precariedade da infraestrutura rodoviária com a falta de sinalização adequada, o tráfego intenso de veículos e a negligência/pouca qualificação de muito motoristas, temos um cenário perfeito para a ocorrência de acidentes, que podem comprometer a carga, o veículo e/ou o motorista.

A gestão do transporte na logística

A solução é uma boa gestão do transporte na logística, considerando critérios como a roteirização, o rastreamento e o monitoramento dos veículos. Para isso, a tecnologia é uma aliada de grande importância. Há ferramentas que planejam rotas considerando a distância, a segurança das rodovias, os pontos estratégicos localizados em seu percurso, como pousadas e postos de combustível.

As ferramentas de rastreamento e monitoramento permitem acompanhar todo o trajeto do caminhão, desde sua origem até o ponto de chegada, o que ajuda a inibir um pouco a ação dos criminosos e o comportamento incorreto dos condutores, como dirigir em alta velocidade, desviar da rota, fazer paradas fora de hora, dirigir fora do horário e assim por diante. A escolha do modal mais adequado também faz parte de uma boa gestão, analisando o destino, o tipo de mercadoria, o prazo de entrega e outras variáveis.

O modal ferroviário

O modal ferroviário é um transporte de longo curso, mas de baixa velocidade quando comparado a outros modais. Seus custos são geralmente baixos e ele é recomendado para o transporte de matérias-primas e mercadorias manufaturadas que também tenham baixo custo. Uma boa vantagem é que ele apresenta um índice de assaltos e acidentes bem inferior ao do modal rodoviário.

O modal aquaviário

É um modal muito usado para transportar carga em geral e graneis sólidos. Envolve os meios de transporte fluviais e lacustres (envolvem o sistema interior, com linhas de navegação que ligam o Brasil a outros países) e os meios de transporte marítimos, que se subdividem em:

  • transporte de longo curso, ligando nosso país a nações mais distantes;
  • navegação de cabotagem, cobrindo a costa do Brasil.

Existe a pequena cabotagem, que cobre somente os postos nacionais, e a grande cabotagem, que faz ligações entre países próximos.

O modal aeroviário

O transporte na logística também deve considerar o modal aeroviário, que promove a diminuição nos custos de estoques e a influência direta sobre o capital de giro (práticas de Just In Time, o material é solicitado e entregue somente quando se faz completamente necessário).

É o meio de transporte mais recomendado para transportar produtos de pouco peso/volume, mas preço alto e muito valor (tendências do e-commerce, produtos urgentes, amostras). Ele atende praticamente todos os lugares do mundo, em exportação/importação. A carga é pouco manuseada, ajudando a diminuir despesas com embalagens e seguros.

O modal dutoviário

É um meio de transporte que serve para conduzir graneis, por meio da gravidade ou pressão mecânica, usando dutos e cilindros desenvolvidos especificamente para isso. Os mais importantes dutos brasileiros são os oleodutos (transportam petróleo e derivados), os minerodutos (conduzem produtos derivados de minérios) e os gasodutos (transportam gases).

O modal rodoviário

É mais recomendado para rotas curtas, carregando produtos acabados ou semiacabados. Algumas de suas vantagens: entregas ágeis e confiáveis de cargas parceladas, elemento fundamental da multimodalidade e intermodalidade (combinação de diferentes modais), meio de transporte mais competitivo para pequenas cargas e entregas de porta em porta, facilitador do embarque de lotes pequenos e veículo de fácil substituição em casos de quebra ou acidente.

O modal escolhido tem um impacto significativo no desempenho das operações logísticas. Por isso, é necessário efetuar uma gestão de transporte na logística que considere as vantagens de selecionar meios de transporte diferentes em determinados momentos e também trace estratégias para contornar com eficiência as dificuldades que travam a performance do modal rodoviário.

Veja agora mesmo o que fazer para otimizar o tempo em processos logísticos.

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Share This

Receba nossos conteúdos em primeira mão