Tipos de estoque: descubra qual o melhor para a sua empresa!

9 minutos para ler

Os estoques são de grande importância para que o fluxo de atividades de uma empresa seja executado. Por isso, é preciso ter ciência de que para cada modelo de vendas há um tipo específico de estoque. Então, é fundamental saber quais são os tipos de estoque.

Para que sua empresa atinja os resultados esperados, é preciso ter em mente a importância de alguns aspectos. A gestão de estoque, por exemplo, contribui para que haja otimização dos recursos, redução de desperdícios, maior satisfação dos clientes — uma vez que encontrarão os produtos necessários — além de trazer a oportunidade de integração com a gestão financeira.

Entretanto, antes de estabelecer uma administração eficiente, é preciso saber quais são os tipos de estoque e quais deles impactam mais o seu negócio. Pensando nisso, explicamos melhor o assunto neste post. Continue conosco para entender. Boa leitura!

Qual é a importância do estoque para uma empresa?

Antes de explicarmos os tipos de estoque existentes, ressaltamos a importância desse recurso para os resultados de uma empresa. Inicialmente, é preciso analisá-lo sob uma perspectiva estratégica.

Por meio dele, é possível estabelecer objetivos de vendas mais elevados de acordo com a época, abastecer o mercado com os produtos que estão em alta além de se diferenciar da concorrência, contribuindo para a expansão do negócio.

É preciso entender, ainda, que o estoque não trará ganhos diretos para o negócio, pois o retorno financeiro não é imediato. Ele se destaca por causa dos descontos recebidos na compra de uma quantidade significativa de mercadorias — cuidado apenas para analisar o seu mercado antes de aquisições maiores — e por oferecer ao consumidor final uma entrega imediata da mercadoria desejada.

Quais são os tipos de estoque existentes?

Agora que você já entende a importância estratégica de um estoque, chegou o momento de descobrir quais são os tipos existentes. Veja!

Antecipação

Existem períodos do ano em que as vendas de determinado produto são mais elevadas justamente pela sazonalidade de algumas datas específicas. Nesse sentido, cabe à empresa elaborar um estoque de antecipação com os produtos que têm mais saída para garantir a entrega deles aos seus clientes.

Contudo, é preciso ter alguns cuidados no momento de comprar mercadorias para esse tipo de estoque. O ideal é que o gestor tenha os registros de todas as vendas dos anos anteriores. Assim, ele saberá quais produtos têm mais saída e se houve perdas de vendas devido à ausência de determinado item.

Além disso, faça um estudo prévio sobre o mercado. Quais são as projeções de vendas? Há uma expectativa de que o mercado apresentará melhorias? Quais são os produtos que mais têm sido procurados pelos clientes? Considerando isso, seu estoque de antecipação contribuirá para resultados mais significativos.

Proteção

Muito utilizado por empresas do varejo, do setor alimentício e automobilístico, esse tipo de estoque tem como principal objetivo resguardar a empresa de determinado problema. Seja pela alta dos preços, seja por greves, o armazenamento de produtos servirá para manter a saúde financeira do negócio diante de uma situação atípica.

Em maio de 2018, por exemplo, as empresas que se preocuparam em manter o estoque de proteção tiveram um diferencial competitivo a partir do momento em que o mercado se deparou com a Greve dos Caminhoneiros, ocasião em que houve escassez de muitos produtos dos mais diversos setores.

Também pode ser considerado uma alternativa para quando o volume de compras de algum produto aumentar de maneira inesperada. O cuidado exigido, especialmente quando se trata de produtos alimentícios, é observar a validade dos itens. De nada adianta adquirir uma quantidade satisfatória se, futuramente, isso causar perdas financeiras para a organização.

Regulador

Para empresas que têm mais de uma filial em cidades diferentes ou diversas unidades no mesmo município, existe a possibilidade de adotar o estoque regulador, especialmente em situações atípicas como as apresentadas.

Se em uma das unidades determinado produto estiver em falta, mas, em outra, houver um baixo volume de vendas do mesmo item, será possível optar pela transferência da mercadoria com o objetivo de otimizar os recursos e contribuir para as vendas da empresa.

Ciclo

Esse tipo de estoque é voltado especialmente para as empresas que fabricam seus próprios produtos e têm muita saída de todos eles. Certamente, não é possível produzi-los de maneira simultânea, correto? Por essa razão, é necessário estabelecer um limite mínimo e máximo para que haja um controle mais eficaz e não ocorram perdas de vendas devido à escassez de um item.

Abordaremos um exemplo prático para você entender de maneira mais eficiente. O produto A está com o estoque máximo delimitado pela sua gestão enquanto o B já conta com uma venda elevada. Sendo assim, sua equipe vai parar a produção de A e começar a de B. Ao terminá-la, caso o produto A já tenha passado por um processo de venda mais intenso, recomeçará a sua produção, formando um ciclo — como o próprio nome sugere.

Canal

Uma empresa que tem uma gestão de estoque eficaz certamente já passou por algum período em que o pedido foi solicitado aos fornecedores, mas continuou em trânsito. Por isso, é preciso considerar esse contexto em sua administração, uma vez que poderá ocorrer a falta de produtos enquanto eles estiverem a caminho de seu negócio.

É aí que entra o estoque de canal. Você precisará ter produtos suficientes para oferecer aos seus consumidores até que a solicitação chegue. Assim, conseguirá evitar perdas nas vendas e contar com resultados mais positivos.

Inativo

Esse é um dos grandes gargalos da maioria dos gestores que contam com uma estratégia para sempre oferecer aos seus clientes produtos disponíveis. Existem determinados itens que não são vendidos devido a diversos fatores. Seja pelo local de sua empresa, seja pelo preço elevado da mercadoria, não há saída e isso faz com que seu negócio mantenha um estoque inativo.

Mas não é preciso se preocupar, desde que sua equipe utilize as habilidades gerenciais. Contate seus fornecedores e avalie a opção de renegociar os produtos parados. Além disso, busque por empresas que tiveram sucesso com eles para, assim, ter a oportunidade de oferecê-los a um preço mais baixo, o que resulta em vantagens para ambos os negócios.

Máximo

O estoque máximo é aquele que funciona de acordo com a quantidade máxima de produtos disponíveis em um período predeterminado. O cálculo do estoque gira em torno do limite de mercadorias. Ele pode ser feito considerando o espaço disponível para armazenamento ou a determinação do setor financeiro da sua empresa.

Adquirindo grandes quantidades de produtos de uma vez é possível negociar preços mais favoráveis por unidade. Desse modo, você promove a economia do negócio, otimizando os resultados finais e evitando dores de cabeça.

Dropshipping

Com o crescimento da popularidade das lojas virtuais, a gestão logística também precisou adaptar-se para responder às mudanças referentes à metodologia de varejo e relações de consumo.

Nesse contexto, o dropshipping trata-se não só de um modelo de varejo, mas também de um tipo de estoque em que é feita a estocagem dos produtos solicitados por um usuário em uma loja virtual, deixando-os disponíveis para serem enviados ao fornecedor que, por sua vez, encaminha-os com o nome da loja responsável pela venda.

Nesse modelo, é sempre bom consolidar parcerias de negócio, principalmente com centros de armazenagem e transportadoras. Desse modo, é mais fácil conseguir atender pontualmente às demandas e realizar todas as entregas dentro dos prazos estipulados aos clientes.

Contingência

Durante o ciclo produtivo da empresa nem tudo sai sempre como esperado. O sistema pode falhar de diversas maneiras, seja por um aumento repentino da demanda ou, até mesmo, por uma falha humana.

O estoque de contingência serve para isso. Ele exerce a função de cobrir essas potenciais falhas, evitando que tudo saia do controle e mantendo o fluxo de trabalho em funcionamento.

Consignado

Os estoques consignados são aqueles que estão sob a posse de clientes, agentes, distribuidores etc. embora a propriedade continue sendo do fabricante. Essa condição é estabelecida por um acordo entre as duas partes.

Como escolher o tipo de estoque adequado?

Agora que você conhece as especificações de cada tipo de estoque, é possível determinar qual é o mais adequado de acordo com as necessidades e o modelo do seu negócio. Desse modo, é possível manter a eficiência da operação logística trabalhando por meio da antecipação de demandas, prevenindo perdas, reduzindo custos e aumentando a produtividade.

O foco é mantido na identificação dos produtos que mais vendem ou são utilizados dentro da cadeia de produção, garantindo que eles estejam sempre disponíveis e possibilitando um aproveitamento melhor das oportunidades de crescimento dadas à empresa pelo mercado.

É necessário conhecer os tipos de estoques que existem e adequá-los aos processos da sua empresa para favorecer, até mesmo, as relações com os fornecedores, assim como transportadoras focadas em cargas fracionadas.

Neste artigo, você pôde conhecer os principais tipos de estoque existentes no mercado e para quais casos eles são mais indicados. O ideal é avaliar a realidade do seu negócio, ter percepção do seu público e escolher o que atenda melhor às suas necessidades para obter os melhores resultados.

Gostou deste post e se interessa por assuntos relacionados a estoque de produtos? Recomendamos que leia nosso outro artigo em que falamos sobre as estruturas de armazenagem para continuar se aprofundando no tema. Confira!

Posts relacionados

Deixe um comentário

Receba nossos conteúdos em primeira mão